Património

Foi conhecida pelo nome de Vagueira,  tendo sido criada a freguesia eclesiástica em 2 de Fevereiro de 1948.  Quando a Capela do Senhor dos Aflitos foi transferida do Arião para o Poço da Cruz,  “o povo da Vagueira pensou desde logo na construção de uma capela sua, o que se efectuou em 1891”, conta o Pe. João Vieira Resende, na “Monografia da Gafanha”. E continua o autor, relatando os factos que estiveram na origem da escolha da Senhora da Boa Hora para invocação da capela: “Foi interessante a maneira como foi escolhido e dada preferência ao nome do orago do seu templo. Construído este, passavam-se os meses com opiniões, propostas e alvitres os mais contraditórios, sem que nada se decidisse sobre o nome do orago, pelo que não era aberto ao culto. José dos Santos Tendeiro, dali, tanto na Vagueira como na Costa Nova, em cujas campanhas trabalhava, repetia sempre a apóstrofe graciosa: “a capela está feita; o diabo é o Santo”. A chalaça, irreverente e grosseira, nem sequer podia ter a atenuante de ser pronunciada, mais por um ignorante ou vil gracioso, do que por um malicioso e mau. No entanto a grosseria repetia-se, e foi ela que decidiu a questão. Fernando Vergas, rachador de lenha, da Gafanha da Nazaré, ou no exercício do seu ministério na Vagueira, ou na pesca na Costa, teve uma ideia luminosa, e em presença do gracioso resolveu a dificuldade. “A vossa padroeira, disse, será Nossa Senhora da Boa Hora, e as vossas mulheres terão uma boa protectora nas horas de aflição”. É escusado dizer que se referia às parturientes. E hoje a capela é dedicada àquela celeste padroeira”. 
O Forte Velho foi levantado nas areias da orla, acima do paralelo da capela, para norte, sem atingir a linha da pequena barra da Vagueira. Não passava de um fortim de que resta o reparo de areia amontoada, já sem revestimento algum; simples polígono, distinguindo-se voltado ao mar a forma da escarpa e o desenho de pelo menos três das faces o que já não se adivinha na parte contrária. 
 
O Pe. Vieira Resende faz também referência na obra citada, à capela da Barra da Vagueira. Diz ele:” Muito poucos têm conhecimento desta capela, que se diz ter sido construída pela entidade que ao tempo superintendia na Barra da Vagueira, para utilidade do respectivo pessoal e dos limitadíssimos moradores da Gafanha. A tradição está de harmonia com esta doutrina que é o caso da Senhora das Areias. Ignora-se a data da sua fundação. Só se sabe que por volta de 1786, Manuel das Neves Ferro Velho veio do sul da antiga freguesia de Vagos fixar a sua residência na Gafanha e construir a sua casa sobre os alicerces (de pedra vermelha) da referida capela. Seria construída em 1643 quando a Barra ali se fixou? Deve ter sido a primeira capela da extensa região da Gafanha”.